Taxas de desocupação e desemprego são maiores em estados governados pelo PT e PSB


A taxa de desocupação do país no segundo trimestre de 2022 foi de 9,3%, caindo 4,9 pontos percentuais na comparação com o mesmo período de 2021 (14,2%). Em relação ao primeiro trimestre deste ano, o recuo foi de 1,8 ponto percentual. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) Trimestral, divulgada nesta sexta-feira (12/08), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Esse movimento de retração também ocorreu nas diversas unidades da federação. No confronto trimestral, por exemplo, 22 das 27 unidades da federação apresentaram retração da desocupação, enquanto que, no confronto anual, todas as 27 tiveram também esse movimento de redução da desocupação”, detalhou a Coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios, Adriana Beringuy.

Os estados com menor taxa de desocupação foram Santa Catarina (3,9%), Mato Grosso (4,4%) e Mato Grosso do Sul (5,2%). Já as maiores foram registradas na Bahia (15,5%), Pernambuco (13,6%) e Sergipe (12,7%).

São as mulheres a maioria entre os desocupados. A taxa no segundo trimestre deste ano foi de 11,6% para as mulheres e de 7,5% para os homens. Em relação à cor e raça, a desocupação ficou abaixo da média nacional (9,3%) para os brancos (7,3%) e acima para os pretos (11,3%) e pardos (10,8%). No recorte por idade, a taxa de desocupação de jovens de 18 a 24 anos recuou. Era 22,8% no primeiro trimestre e foi para 19,3% no segundo trimestre.

O nível de escolaridade impactou na desocupação, já que para as pessoas com ensino médio incompleto (15,3%) foi maior que as taxas dos demais níveis de instrução analisados. Para as pessoas com nível superior incompleto, a taxa foi 9,9%, mais que o dobro da verificada para o nível superior completo (4,7%).

O percentual de empregados com carteira assinada no setor privado foi de 73,3% no segundo trimestre do ano. Os maiores percentuais estavam em Santa Catarina (87,4%), São Paulo (81,0%) e Paraná (80,9%) e os menores, no Piauí (46,6%), Maranhão (47,8%) e Pará (51,0%).

A população ocupada do país trabalhando por conta própria registrou o percentual de 26,2%. Os maiores percentuais estavam no Amapá (35,7%), Rondônia (35,3%) e Amazonas (35,0%) e os menores, do Distrito Federal (20,1%), Mato Grosso do Sul (22,6%) e São Paulo (23,2%).

Quanto à informalidade, a pesquisa mostra que a taxa no país foi de 40,0% da população ocupada. As taxas maiores ficaram com Pará (61,8%), Maranhão (59,4%) e Amazonas (57,7%) e as menores, com Santa Catarina (27,2%), São Paulo (31,1%) e Distrito Federal (31,2%).

No segundo trimestre de 2022, a taxa composta de subutilização da força de trabalho - que é o percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação à força de trabalho ampliada - foi de 21,2%. Piauí (42,3%) teve a maior taxa e Santa Catarina (7,0%), a menor.

Retrato da força de trabalho

A PNAD Contínua é o instrumento que monitora a força de trabalho no país por meio de pesquisa com amostra trimestral que corresponde a 211 mil domicílios pesquisados. Para o IBGE, qualquer pessoa que realiza algum tipo de trabalho, seja ele formal ou informal, é considerada ocupada. Isso quer dizer que vendedores ambulantes e entregadores autônomos de delivery, por exemplo, que não têm carteira assinada, também fazem parte do grupo de ocupados.

As entrevistas são realizadas em 26 estados e no Distrito Federal. Desde 17 de março de 2020, o IBGE implementou a coleta de informações da pesquisa por telefone, em função da Covid-19.

FONTE: IBGE 

R$ 4 milhões em produtos falsificados são apreendidos pela PRF e RFB no centro de São Luís


Na última sexta-feira (12), por volta das 9h, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Receita Federal do Brasil (RFB), em ação integrada, deflagraram a Operação Serpente, de combate à contrafação de mercadorias (falsificação).

A operação aconteceu no Centro de São Luís/MA. Foram 7 (sete) estabelecimentos flagrados na Rua de Santana e Rua Sete de Setembro comercializando produtos contrafeitos e/ou oriundos de descaminho. A operação apreendeu milhares de produtos eletrônicos, acessórios, brinquedos e itens de vestuário. A maior parte com fortes indícios de contrafação, reproduzindo ilicitamente marcas conhecidas no mercado.

Outra quantidade significativa de produtos, não possuíam qualquer documentação fiscal de procedência, configurando assim o crime de descaminho. No total, foram apreendidos aproximadamente R$ 4 milhões em mercadorias, que estão em um depósito da Receita Federal do Brasil para os procedimentos cabíveis.


FONTE: PRF no Maranhão 

Prefeitura de Codó licita quase R$ 6,5 milhões em brinquedos pedagógicos e parquinhos


A Prefeitura de Codó concluiu nesta sexta-feira (12) o processo licitatório, modalidade Pregão Eletrônico nº 65/2022, com a finalidade de contratação de pessoa jurídica para o fornecimento de brinquedos pedagógicos e parquinhos destinados à Secretaria Municipal de Educação - SEMECTI, pasta comandada por Raquel Vieira Paula Pereira.

O processo licitatório foi conduzido pelo Pregoeiro Jose Bona Brandão Mousinho Filho, com o apoio de Andressa da Silva VianaMariana de Lima Pereira Rabelo.

Ao todo foram licitadas 164 mil unidades, entre brinquedos pedagógicos e parquinhos, pelo valor de R$ 6.460.757,30.

De acordo com a SEMECTI, a aquisição é justificada para suprir as necessidades dos Centros Municipais de Educação Infantil - CMEI’s.

A vencedora da licitação milionária foi a M V REIS LACERDA E CIA LTDA, empresa com sede em Caxias/MA e pertencente ao empresário Michael Vinicius Reis Lacerda.

FONTE: Diário Codoense 

Vereador "copia" PL de deputado sobre fogos de artifícios e gera polêmica em Codó


Na última terça-feira (09), durante a 23ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Codó, a sociedade codoense tomou conhecimento do Projeto de Lei nº 29/2022, de autoria do vereador Valdeci Calixto.

O PL dispõe sobre a proibição do comércio, fabricação, manuseio e uso de fogos de artifícios, e demais artefatos pirotécnicos, que causam poluição sonora (estampidos ou estrondos) em todo o território do município de Codó. Segundo Valdeci Calixto, o PL possui a finalidade de resguardar a saúde das pessoas (idosos, acamados, recém-nascidos, pessoas com transtorno do espectro autista, etc...) e dos animais.

Logo após a divulgação nas redes sociais, o assunto causou bastante polêmica na cidade.

Infelizmente a elaboração do PL nº 29/2022, bem como a toda a polêmica sobre ele, gerou um desgaste político desnecessário ao vereador. O motivo? Já existe projeto de lei que impede o uso de fogos de artifícios, que causam estampidos ou estrondos, em todo o território do Estado do Maranhão.

De autoria do deputado estadual Neto Evangelista, o Projeto de Lei nº 281/2022 já foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Maranhão (ALEMA), em 12 de julho de 2022, e aguarda apenas a sanção do governador Carlos Brandão.

CLIQUE AQUI para mais informações sobre o PL de Neto Evangelista.

FONTE: Diário Codoense 

Terceirizada da UPA de Timon demite funcionários e não paga as rescisões


Pelo menos 32 funcionários do Instituto de Apoio ao Desenvolvimento da Vida Humana - IADVH, empresa terceirizada que atua na UPA de Timon, foram desligados no mês de julho e até o presente momento não receberam seus direitos trabalhistas.

Segundo o denunciante, o IADVH não fez o pagamento das verbas rescisórias no prazo, bem como não disponibilizou os documentos dos demitidos (Carteira de Trabalho, Termo de Rescisão e Guia dos 40% FGTS), caracterizando assim o descumprimento do Artigo 477 da CLT.

Ainda de acordo com o denunciante, o IADVH alega falta de repasse por parte do Governo do Maranhão.

CLIQUE AQUI para mais informações.

IADVH também atua em Codó

O IADVH é uma das empresas contratadas pela Prefeitura de Codó, sendo responsável pelo fornecimento de profissionais da saúde para os plantões no Hospital Geral Municipal e SAMU, além de serviços ambulatoriais (reveja).

Em apenas 05 (cinco) meses, o IADVH já embolsou mais de R$ 6 milhões na gestão do prefeito Zé Francisco.

FONTE: Diário Codoense com informações do Blog do Lucão